Fórum Itinerante de Cinema Negro

Artigos

Por um cinema africano no feminino (I): as Jornadas Cinematográficas da Mulher Africana (JCFA)

13.01.2014 | Janaína Oliveira | , ,

3eme JCFAEste post faz parte de uma série de publicações do FICINE que tem a participação das mulheres nas cinematografias africanas como foco. Começamos por apresentar as JCFA: Journées Cinématographiques de la Femme Africaine de l’Image, que acontecem a cada dois anos em Burkina Faso.

------

Em 1991, durante a 12a edição do FESPACO (Festival Panafricano de Cinema e Televisão de Ouagadougou), as profissionais da indústria cinematográfica participaram de um workshop organizado pela FEPACI (Federação Panafricana de Cineastas) para discutir a participação da mulher africana no campo do audiovisual no continente. Como resultado dos debates realizados, as participantes apontaram  como principais dilemas a serem enfrentados as seguintes questões:

  •   a constatação da presença reduzida de mulheres nas indústrias de filmes e vídeos;
  •  a ausência de formação profissional em todos os meios da criação e da produção audiovisuais;
  • as dificuldades de acesso à informação e à circulação em termos de formação e financiamento.

Ainda como resultado das reflexões no workshop, foi assinalado também a necessidade da busca de parcerias que incentivem e possibilitem financeiramente a presença de mulheres profissionais de imagem em festivais.

Assim que em 2010, vinte anos após este workshop, a direção geral do FESPACO criou as JCFA, Journées Cinématographiques de la Femme Africaine de l’Image (Jornadas Cinematográficas da Mulher Africana da Imagem) com objetivo de ampliar a participação feminina em todas as esferas das produções audiovisuais, sejam elas para cinema ou televisão.

As JCFA ocorrem nos anos pares, alternando assim com os anos do FESPACO, em Ouagadougou, capital de Burkina Faso, e também simultaneamente em uma outra cidade do país. Nas duas primeiras edições, a segunda cidade escolhida coincide com o lugar apontado pelo governo burkinense para as celebrações do Dia Internacional da Mulher, data que mobiliza grande atenção da sociedade local.

Durante as JCFA, além das mostras de filmes, acontecem também encontros entre produtoras, realizadoras, montadoras, atrizes, cenógrafas, camerawomen, etc., em formato de palestras e workshops. Todas estas atividades das JCFA se relacionam com um tema central proposto pela organização do evento. Em 2010 o tema foi “Mulher e cinema na África”, buscando realizar um panorama da participação das mulheres no cinema, como uma espécie de retomada do debate iniciado em 1991.

Já em 2012, o foco das reflexões se voltou para formação das Femmes de l’Image. Assim, outro ponto destacado vinte anos antes, voltava ao cerne das preocupações com o tema “Mulher, cinema e formação profissional”. Participei desta edição como convidada, enquanto pesquisadora, por Suzanne Kouruma, diretora do MICA  (Marché International du Cinéma et de la Télévision Africains), parte do FESPACO responsável pela comercialização e distribuição dos filmes. Em breve, publicarei aqui um post sobre esta experiência, com destaque para a cerimônia de encerramento na cidade de Dédougou no qual a delegação participou de almoço com a presença da primeira-dama do país, Chantal Compaoré.

Para 2014, o comitê de organização já fez seu primeiro comunicado, estabelecendo como eixo da discussão o tema “Cinemas de Mulheres na África”. Nesse ano, a direção do FESPACO conta com a colaboração de União Nacional dos Cineastas Burquinenses (UNCB) e da União Nacional das Mulheres de Imagem de Burkina (UNAFIB) na organização das JCFA que ocorrerá entre 03 e 07 de Março, em Ouagadougou e Banfora, cidade a 500km ao sul da capital.

__________

Conheça a seguir um pouco mais das Journées Cinématographiques de la Femme Africaine de l’Image:

Resumo das atividades da I JCFA, em 2010:

Filmes exibidos:

Ficções  (curtas e longas metragens)

* Pauline : l'amour en action, de Maïmouna N'Diaye

* Les Inséparables, de Christiane Chabi Kao

* Borderline, de Sonia Chamkhi

* Affaire d'État, de Fatim Ouattara

* Les bénéficiaires, de Mamounata Nikiéma

* Amour sans frontières, de Laurentine Bayala

* La Mue, de Rachelle Somé

Documentários:

* Femmes en peine, de Aminata Diallo Glez

* Femmes à l'ombre, de Odette Ibrango

* Une affaire de nègres, de Osvalde Lewat

 

Resumo da II JCFA, em 2012:

Filmes exibidos em Ouagadougou:

Ficções  (curtas e longas metragens)

Haisse (Amour ou châtiment), de Moussa Hamadou Djingarey (Níger)

Houedjizo (la maison en feu),  de Jean-Paul Amoussou (Benin)

I want a wedding dress, Tsitsi Dangarembga (Zimbabwe)

Le mec ideal, Owell A. Brown (Costa do Marfim)

*Notre étrangère (The place in between), Bouyaian Sarah (Burkina Faso)

Jouqu'au Bout, Laurentine Bayala (Burkina Faso)

*  Le lign sale,  Inoussa Kaboré (Burkina Faso)

Documentários:

La marque d'un profissionnel, du rire naît l'espoir, Yumilo Takashima (Japão)

Le drame des filles mères, Kadidia Sanogo (Burkina Faso)

* Paris mon paradise, Eleonore Yameogo (Burkina Faso)

Séries de Televisão:

Alima, Kouka Aimé ZOngo (Burkina Faso)

Le testament, Apolline Traore (Burkina Faso)

Filmes exibidos em Dédougou:

* Le fauteil, Missa Herbie (Burkina Faso)

* Nandi, Kandi Cissé Sessouma (Burkina Faso)

Sans papier  à Ouagadougou, UNAFIB (Burkina Faso)

* Super flic 1, Aminata Diallo Glez (Burkina Faso)

* Trois femmes, un village, Aminata Diallo Glez (Burkina Faso)

* Une femme pas come les Autres, Abdoulaye Dao (Burkina Faso)

*Affaire publiques (2ème saison), Adjaratou Lompo (Burkina Faso)

*  La traite des enfants, Guy Désiré Yameogo/ Mamounata Nikiema (Burkina Faso)

* Prévention et lutte contra la traite des enfants au Burkina Faso, Guy Désiré Yameogo/ Mamounata Nikiema (Burkina Faso)

--------

Para saber ainda mais um pouco, leia também "Pour changer le regard sur la femme",  impressões da cineasta Laurentine Bayala sobre as II JCFA. (texto em francês)

 
  

Janaína Oliveira

Pesquisadora, é doutora em História pela PUC-Rio e professora desta disciplina no Instituto Federal do Rio de Janeiro – Campus São Gonçalo, onde coordena o Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígena (NEABI). Realiza pesquisas centradas na reflexão sobre Cinema Negro, no Brasil e na diáspora, e também sobre as cinematografias africanas, sempre buscando conexões que possam incidir também na área da educação das relações étnicorraciais. Desde 2009, orienta o projeto de pesquisa “Cinegritude: reflexões sobre a invisibilidade das produções cinematográficas africanas e afro-brasileiras na contemporaneidade”. Desde 2011 participa ativamente do FESPACO, Festival Panafricano de Cinema e Televisão de Ouagadougou e da JCFA, Journée Cinématographique de la Femme Africaine d’Image, ambos em Burkina Faso. Foi consultora do Ministério da Cultura e das Organizações das Nações Unidas. É membro também do CODESRIA (Conselho para o Desenvolvimento da Pesquisa em Ciências Sociais em África). Recentemente, fez curadoria de filmes para as duas edições do Plateau – Festival Internacional de Praia, Cabo Verde. No Brasil, fez curadoria para a Mostra de Filmes Africanos do FINCAR - Festival Internacional de Cinema Realizadoras (PE), a 7a edição do Cachoeira Doc (BA), para o Diálogos Ausentes do Itaú Cultural - módulo de Audiovisual (SP) e para a 8a Semana dos Realizadores (RJ). Atualmente é curadora do Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul. Faz parte da APAN (Associação dos Profissionais do Audiovisual Negro). É idealizadora e coordenadora do FICINE, Fórum Itinerante de Cinema Negro (www.ficine.org).
Outros artigos do autor:
Bem Vindos!
Por um cinema africano no feminino (I): as Jornadas Cinematográficas da Mulher Africana (JCFA)
Um ano sem Zózimo Bulbul
Ciné Guimbi: cinema e resistência em Burkina Faso
Por um cinema africano no femino (II): o FICINE na 3a edição das Journées Cinématographiques de la Femme Africaine de l’Image
A continuidade do sonho de Zózimo: notas sobre VII Encontro de Cinema Negro Brasil, África e Caribe/Zózimo Bulbul
Descolonizando telas: o FESPACO e os primeiros tempos do cinema africano (parte 1)*
Descolonizando telas: o FESPACO e os primeiros tempos do cinema africano (parte 2)*
10 anos do Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul, uma edição histórica
Para Zózimo, com carinho