Fórum Itinerante de Cinema Negro

Artigos

Por um cinema africano no feminino (III): “Um foco sobre as Mulheres Burkinabês no Cinema"*

07.07.2014 | Beti Ellerson | , ,

baobab_sDando seqüência às publicações que visam divulgar a produção e a participação de mulheres africanas no cinema, o FICINE traz este post escrito pela diretora e pesquisadora Beti Ellerson. O texto foi publicado originalmente em African Women in Cinema Blog, um espaço criado para a discussão de diversos assuntos relacionados à participação das mulheres africanas no cinema que faz parte do Centre for the Study and Research of African Women in Cinema. Boa leitura!

 

“Desde início da história do cinema em Burkina Faso, as mulheres desempenharam um papel proeminente. Ouagadougou, Burkina Faso, o lar do lendário FESPACO o festival panafricano de filme bienal, também é conhecida como a capital do cinema africano. O compromisso de Burkina Faso com a promoção do cinema africano tem mais de 40 anos, desde a criação do festival em 1969, e encontra-se entre os mais altos interesses do governo.

O presidente do país concede o Étalon de Yennenga, o grande prêmio do FESPACO para o filme vencedor. Secretários-Gerais do Festival passaram a ocupar outros postos importantes no governo. Duas mulheres estavam entre os organizadores do primeiro festival: Alimata Salembéré, diretora da RTV (Radiodiffusion Télévision Voltaïque)[ii] na época, era a presidente da comissão organizadora; enquanto Odette Sangho, uma representante da CCFV (Comité d'Animation du Centre Culturel Franco-Voltaïque), era um membro do comitê de programa. As mulheres continuaram a ser visível nos Comitês Organizadores posteriores, nomeadamente Simone Aïsse Mensah, que assumiu a presidência pelo segundo FESPACO e continuou nessa posição até o quarto. O Festival é dirigido por um Secretário-Geral, cargo que Alimata Salembéré ocupou de 1982-1984, supervisionando, portanto, a oitava edição do FESPACO em 1983.

Durante a semana de duração do festival, os estudantes estão em férias e participam em diversas actividades. A inclusão da juventude remonta ao primeiro festival, em 1969. A pedido da Comissão Organizadora, Jacqueline Ki-Zerbo, diretora Curso Normal para Meninas (e também a esposa do renomado historiador Joseph Ki-Zerbo) reuniu dezesseis meninas para participar como recepcionistas para acolher os muitos convidados.

Pode-se notar entre os filmes burkinabês, a visibilidade das crianças como protagonistas principais. Notavelmente, o filme de 1982, clássico Wend Kuuni de Gaston Kaboré no qual a jovem Rosine Yanogo ganhou o prêmio de melhor atriz por seu papel como Pognéré.

O tema do festival 1997, "Cinema, Infância e Juventude", enfatizou a importância de cultivar as experiências da juventude africana em sua relação com o cinema. Florentine Yaméogo disse a este respeito: "Fiquei muito satisfeita com a escolha do tema deste ano, porque era um tema em que eu já estava interessada. Através deste tópico, eu senti que nos foi dada a oportunidade de realmente pensar sobre o impacto que as imagens têm sobre nossos filhos ... Estamos percebendo que fazer filmes que abordam as necessidades deles em particular, que tratam de temas e assuntos que lhes interessam, que, de fato, nós participamos realmente do desenvolvimento intelectual, cultural e físico deles".

Também localizada em Ouagadougou, está a Cinemateca Africana, uma infra-estrutura para a conservação de filmes africanos, bem como um local para pesquisa e estudo, e o MICA (Mercado Internacional de Cinema Africano), cuja atual presidente é Suzanne Kourouma. Além disso, Ouagadougou foi a localização do Institut Africain d'Education Cinématographique (Instituto Africano de Educação e Cinematogrática - INAFEC), a histórica escola de cinema na Universidade de Ouagadougou, onde cerca de duas centenas de estudantes de todo o continente foram formados entre 1976 e 1987. A formação básica do INAFEC era multifacetada com foco em áreas como rádio, televisão, jornalismo impresso, a roteiro, edição e produção de filmes. A formação exigia que os alunos aprendessem primeiro escrita de roteiros e edição, e então trabalhar como assistente de direção antes de aprender a dirigir. Depois de completar o ciclo básico, havia a escolha entre duas divisões, uma para aqueles que se especializariam em cinema; e o outro para quem especializaria em comunicação.

Muitas da primeira geração de mulheres burkinabês de cinema foram treinadas no INAFEC: Aminata Arby Boly, a Valérie Kaboré, Marie Jeanne Kanyala, Suzanne Kourouma-Sanou, Adjaratou lompo-Dadjoari, Fanta Régina Nacro, Aminata Ouedraogo e Téné Traoré. Atualmente, eles trabalham em algum aspecto do cinema, como cineasta, editora de cinema, roteirista, crítica de cinema, distribuidora de filmes, produtora de cinema e organizadora de filme. Mulheres que fizeram contribuições igualmente importantes têm se formado em outros programas em Burkina Faso, na Europa, bem como Estados Unidos: Sarah Bouyain, Benjamine Douamba, Henriette Ilboudo, Martine Condé Ilboudo, Benjamine Nama, Franceline Oubda, Danièle Roy, Kadidia Sanogo, Cilia Sawadogo, Apolline Traoré, e Florentine Yameogo.

Burkina Faso tem uma tradição antiga de mulheres fazendo contribuições importantes para a sociedade: a Princesa Yennenga e a Rainha Sarraounia são dois exemplos ilustres. O Étalon de Yennenga, o grande prêmio de FESPACO, é representado por uma estátua com a imagem de Yennenga montada em um garanhão.

etalondor

Franceline Oubda descreve a importância desta representação: "Vemos que, de forma consciente ou inconsciente, a imagem da princesa Yennenga é o grande prêmio de FESPACO, o que é muito significativo. Isso demonstra a importância da mulher na sociedade. E penso que este prêmio é uma coroação. E nós mulheres devemos lutar para que as mulheres consigam essa coroação. Se formos bem sucedidas na obtenção do Étalon de Yennenga, os esforços das mulheres serão coroados e teremos alcançado um determinado objetivo. Princesa Yennenga foi a prova de coragem e bravura, prova de resistência, e foi uma mulher que fez um grande feito na história Burkina. Penso que lutar para que uma mulher ganhe o Yennenga é realmente um passo em frente, e vai ser para o maior bem-estar e melhoria da qualidade das mulheres em geral".

Sarraounia, a lendária rainha Mossi, foi o tema do filme de 1986 do mauritano Med Hondo. O filme de mesmo nome, conta a resistência africana para a invasão francesa da atual Burkina Faso, liderada pela rainha Sarraounia. Aï Keita, que estreiou no papel de Sarraounia destacou o enorme apoio que o país deu aos esforços de filmagem (o filme foi co-produzido com Burkina Faso). Mesmo sendo este seu papel de estréia, ela se tornou muito popular depois que ganhou o Étalon de Yennenga. Da mesma forma, Amssatou Maïga, também uma atriz de primeira vez em seu papel como Pognéré adulta, tornou-se um nome popular após Buud Yam, uma seqüência de Wend Kuuni também de Gaston Kaboré, ter ganho o Étalon de Yennenga.

Além do interesse em atores de carreira de sucesso, há um apreço pela contribuição que estes atores. O FESPACO 2003 comemorou atores e atrizes africanos sob o título: O papel do ator na criação e promoção de cinema Africano. No entanto, os atores africanos e, mais especificamente, as atrizes tiveram que levar para a representação na forma de uma associação de atrizes. Para este esforço, a atriz Georgette Paré criou a associação, Fundição Sud, para promover e apoiar o interesse dos atores africanos.

Uma geração inteira de Burkina Faso foi criada em uma cultura cinema graças ao papel expansivo do país no cinema. Assim, não é surpreendente que as mulheres tenham desempenhado um papel importante desde o início e continuam a ter o apoio e o incentivo para entrar nas diversas áreas do cinema e para ter sucesso.

Em uma entrevista recente, Aminata Ouedraogo atribui essa alta visibilidade das mulheres às iniciativas de INAFEC. Com seu currículo multifacetado, graduados estavam preparados para trabalhar em diversas áreas da produção audiovisual. Esta prática é evidente nas experiências de muitos de suas ex-alunas. Durante sua carreira profissional Aminata Ouedraogo fez vários filmes e agora dedica seu tempo à uma organização panafricana para profissionais mulheres africanas de cinema criada no FESPACO em 1991.

Além de seus deveres de filmagem, Valerie Kaboré divide seu tempo à pesquisa em comunicação e desenvolvimento e como diretora da Mídia 2000, uma empresa de produção cinematográfica baseada em Ouagadougou. Fanta Nacro que alcançou destaque internacional, é uma defensora do empoderamento das mulheres no cinema, o que se reflete em sua relação com os profissionais de mulheres na frente e por trás das câmeras em todas as fases do processo de filmagem. Embora a escola esteja extinta, ela pôs em prática um quadro de mulheres (assim como os homens) forjando assim uma tradição para as gerações futuras para continuar em seus passos.”

Referências:

Patrick G. Ilboudo. Le FESPACO 1969-1989: Les cineastas Africains et leurs oeuvres. Editions La Mante, 1988.

Hamidou OUEDRAOGO . Naissance et du evolução FESPACO de 1969 à 1973: Les Palmares de 1976 à 1993. Burkina Faso, 1995.

________________

* Texto publicado originalmente em http://africanwomenincinema.blogspot.com.br/2009/06/focus-on-burkinabe-women-in-cinema.html  Tradução de Janaína Oliveira.

[1] [Nota da tradutora] O primeiro FESPACO aconteceu em 1969, ainda sob o nome de I Festival de Cinema de Ouagadougou, quando o país ainda se chamava Alto Volta. O Festival produzido pelo governo de Burkina Faso em parceria com o Ministério da Cooperação Francesa, contou com a participação de cinco países africanos (Senegal, Camarões, Niger, Mali e Burkina) e dois europeus (França e Holanda), apresentando um total de 20 filmes. Sobre a história do FESPACO, veja ainda Colin DUPRÉ, Fespaco, une affaire d’État(s) - 1969-2009. Paris: L’Harmattan, 2012. E também Manthia Diawara “African Cinema and Festivals: FESPACO ”, in Manthia DIAWARA, African Cinema: Culture and Politics. Indiana: Indiana University Press, 1992. p. 128-139.

 
  

Beti Ellerson

Beti Ellerson é cineasta, pesquisadora e diretora do Centre for the Study and Research of African Women in Cinema que fundou em 2008. Desde então mantém o blog http://africanwomenincinema.blogspot.com.br um espaço de discussão sobre a mulher negra no cinema. Escreveu o livro Sisters of the Screen: Women of Africa on Film, Video and Television em 2000. As fotos de Sarah Maldoror também são de Beti Ellerson.
Outros artigos do autor:
Um Perfil de Sarah Maldoror
Por um cinema africano no feminino (III): “Um foco sobre as Mulheres Burkinabês no Cinema”*